Washington Luís Pereira de Sousa

Washington Luís Pereira de Sousa, nascido em Macaé (RJ), em 1870, e falecido em São Paulo, em 1957, foi político, historiador e último presidente da chamada República Velha. Fez toda a sua vida pública em São Paulo, sendo cognominado, por isso, “o paulista de Macaé”.

Bacharelado pela Faculdade de Direito de São Paulo, iniciou carreira, como promotor público, em Barra Mansa (RJ), de onde foi para São Paulo, passando a advogar. Ingressou na política como vereador, em Batatais (SP) ; depois, seria, sucessivamente, deputado estadual, secretário da Justiça, prefeito da Capital paulista e presidente do Estado de S. Paulo, de 1920 a 1924.

Sua candidatura à presidência da República, para o período 1926-1930, foi recebida com esperanças de pacificação, depois da agitada gestão de Arthur Bernardes, que governara, praticamente, sob estado de sítio. Eleito, ele libertou os prisioneiros políticos — a essa anistia não foi estranha a maçonaria brasileira, através do Grande Oriente do Brasil (2) — impulsionou a construção de estradas de rodagem — ficou famosa a sua frase : “Governar é abrir estradas” — e tentou aplicar uma reforma financeira, que poderia significar o desafogo do país. Todavia, a crise de 1929, com a quebra da Bolsa de Valores de Nova York, traria uma situação caótica ao país, originando desemprego, falências em série e queda catastrófica dos preços do café, com o presidente recusando os auxílios financeiros exigidos pela lavoura.

————————-
40. A 17 de dezembro de 1926, cerca de 30 dias após a posse do presidente, um grupo de membros da Assembléia Geral do Grande Oriente do Brasil propunha, durante sessão ordinária daquele alto corpo, a seguinte

INDICAÇÃO:

“Attendendo a que a Instituição Maçonica, já pela nobreza e elevação dos seus ideaes, já porque nunca cessou de agir e de actuar em prol de uma situação melhor e mais perfeita para a Humanidade, não póde deixar de interessar-se pela solução dos grandes problemas politicos e sociaes, que ora preoccupam e agitam os povos da quase totalidade da superfície do globo terrestre;

E attendendo mais a que, em particular, no que diz respeito ao Brasil, póde-se dizer, sem medo de errar ou incorrer em exagero de affirmação, que á Maçonaria Brasileira coube sempre um papel salientissimo na elaboração e desdobramento dos acontecimentos politicos, dos quaes resultaram as mais bellas conquistas liberaes, que ainda registra a historia do povo brasileiro, em um justo e legitimo anceio de independencia e perfectibilidade;

Por outro lado, considerando que á situação anormal, de profunda anarchia e agitação politica que, ha um quinquenio, vem perturbando a vida da Nação e levando a intranquilidade e a desolação ao seio da familia brasileira, não se póde quedar indifferente, em uma passividade mussulmana, a acção da Maçonaria Brasileira, sem desmentir o seu passado de glorias ou trahir os principios em que se alicerça o monumento da sua destinação historica;

Além disso, considerando que de todos os angulos do paiz, num brado unisono, que é a propria voz da Patria, se exora, reclama, exige e protesta contra os estado de inquietação de espiritos e de asphyxia das liberdades publicas, de que, infelizmente, ainda não se póde libertar a Nação, como si as trevas da noite, iniciada em 5 de julho de 1922, parecesse eternisar-se.

Finalmente, considerando que qualquer attitude que porventura venha a Maçonaria Brasileira a tomar no sentido de contribuir para a cessação desse estado de coisas, com a pacificação geral do povo brasileiro e a instauração das garantias constitucionaes, terá de ser posta em pratica, energicamente, e sem perda de tempo, para que não resulte meramente platonica ou simplesmente tardia;

Indicamos:
a) que a Sob.: Ass.: represente aos Poderes Publicos da Nação, assim ao Presidente da Republica, como ao Congresso Nacional, sobre a necessidade palpitante e inelutavel da decretação de uma amnistia geral, que envolva e beneficie a todos os implicados nos ultimos acontecimento politicos, sem distincção de classe ou situação juridica, e bem assim sobre a conveniencia da suspensão do estado de sitio, com o restabelecimento das garantias constitucionaes;

b) que deste seu acto dê a Sob.: Ass.: Ger.: conhecimento ao Sob.: Gr.: Mestre.: e aos demais corpos e OOff.: da Federação, para que cada qual, na esphera da sua actividade funccional, promova uma acção convergente e efficaz, no sentido da realisação e consecução de tão nobre e alevantado objectivo.

Sala das sessões da Sob.. Ass.: Ger.:, a 17 de Dezembro de 1926, E.: V.: .

(ass.)
Francisco Prado, 7.: ; Gomes de Almeida, 7.: ; Deodoro Hermes, 7.: ; Eugênio Pinheiro, 7.: ; Antonio D´Avila, 30.: ; Alberto Brigagão, 7.: ; Agenor Moreira, 7.: ; Henrique Pasqualette, 12.: ; Abilio Alvares, 30.: ; Raymundo Maria, 7.. ; Abelardo Albuquerque, 18.: ; Corrêa Lopes, 30.: ; Octavio Baptista, 18.: ; Julio Moreira, 33.: ; John Bloomfield, 30.: ; Ildebrando Pinto, 30.: ; Djalma Reis, 18.: ; Jayme Mesquita, 30.: ; Adriano Monteiro, 7.: ; Mouço e Silva, 7.: ; Julio Diniz, 7.. ; Silva Alves, 18.: ; Mario Bulhão, 7.: ; Drummond Alves, 13.: ; Constantin Hambour, 18.. ; Alcides Paiva, 18.: ; Costa Lamin, 30.: ; Vilar Martins, 18.: ” .

Apresentada a indicação, foi dispensado o parecer da Comissão Central, porque ela fora assinada por três membros dessa comissão. Submetida à votação, ela foi aprovada. Diante disso, o presidente da sessão, Eugênio Pinheiro, nomeou uma comissão para tratar do assunto, composta pelos Irmãos Alberto Brigagão, Chapot Prévost, Mário Pinto, Francisco Prado e Deodoro Hermes. Por solicitação de Raymundo Maria, o próprio presidente foi incorporado à comissão, enquanto Chapot Prévost, escusando-se de fazer parte dela, foi substituído por Mário Bulhão.

————————————————————————————
A política de valorização do café, já antes da crise de 1929, encontrava adversários até mesmo no Partido do presidente, o Partido Republicano Paulista, que reunia a burguesia cafeeira de S. Paulo. Já houvera uma ala dissidente, que fundara o Partido Democrático e que, após o Convênio Cafeeiro de 1929, recebera o apoio do Partido Republicano Mineiro. Estava armado, assim, o cenário da derrubada do PRP, baseada nos anseios da classe dominante, não ligada à exportação do café — que desejava a mudança da política — e nos desejos da classe média — que ansiava pela mudança de homens. A classe média, junto com uma parte da pequena burguesia, formava uma ala radical, que recebeu o nome de “tenentismo”, por ser apoiada e defendida por um grupo de tentes do Exército, no qual se incluíam antigos comandantes do destacamento da Coluna Prestes (comandada por Luís Carlos Prestes, o futuro líder comunista).

Aproximadas as eleições para a presidência, o PRP indicava, para a disputa, o ex-presidente de S. Paulo, o maçom Júlio Prestes, deixando de lado dois nomes de projeção nacional: Borges de Medeiros, ex-presidente do Rio Grande do Sul e Antônio Carlos Ribeiro de Andrada, presidente de Minas. Este último passaria, então, à oposição, estabelecendo, com o Rio Grande do Sul, uma coligação política , denominada Aliança Liberal, que lançaria a chapa Getúlio Vargas – João Pessoa, para combater a de Júlio Prestes – Vital Soares.

Realizadas as eleições, a 1º de março de 1930, vencia, como se esperava, a máquina eleitoral do PRP, tendo, em ambos os lados, funcionado a fraude eleitoral. Da conspiração da oposição, eclodiria a revolta, em Porto Alegre, a 3 de outubro de 1930, culminando no golpe contra o governo constituído, com a ascensão de Vargas ao governo e o início de quinze longos anos de poder, a maior parte dos quais exercidos em odiosa ditadura. Washington Luís era deposto, a 24 de outubro, e deportado. No exílio, sempre manteve irrepreensível dignidade e austeridade, jamais comentando a situação política do Brasil e fazendo-se, por isso, respeitado por toda a nação. Só com a queda da ditadura Vargas, em 1945, é que ele se dispôs a voltar ao país, fazendo-o em 1947 e sendo festivamente acolhido no Rio e em S. Paulo. Isolou-se, então, em São Paulo, até ao fim de sua existência.

Embora não se saiba a data e o local de sua iniciação maçônica, sabe-se que ele pertenceu à Loja “Filantropia II”, de Batatais (SP), da qual foi fundador e primeiro Venerável Mestre. Em S. Paulo, fez parte, desde 1921, do quadro da Loja “União Paulista”, do Grande Oriente do Brasil, sendo, também, membro honorário da Loja “Amizade”.

Fonte: http://www.pael.com.br

 

Tradicionalmente, a Maçonaria surgiu com as civilizações, e esteve presente na formação de quase todas elas, para instruir os homens nos princípios da construção social, construindo mentes sábias e personalidades...
Tradicionalmente, a Maçonaria surgiu com as civilizações, e esteve presente na formação de quase todas elas, para instruir os homens nos princípios da construção social, construindo mentes sábias e personalidades…


Total de leitores: 325. Leitura diária: 1. Total de visitas: 2.951.101
mm

About Ivair Ximenes Lopes. Ivair Ximenes

Deixe seus Comentários

Seu comentário é muito importante. Com ele tomamos iniciativas úteis.


Deixe seus Comentários (rede social)