Laguna V: Regresso de cativos. O guia Lopes

Laguna V: Regresso de cativos. O guia Lopes

Reconhecimento. Rebate falso. Regresso de cativos escapos ao inimigo. O guia Lopes e o filho. Avante!
Retirada da laguna

Recebeu imediatamente o 21.° batalhão ordem de es­coltar os engenheiros, numa exploração das localidades vizinhas da colônia; e, com efeito, a 25, o tenente-coronel Juvêncio, com os dois subordinados, avançou até o ponto chamado Retiro que, havia pouco, fora evacuado por um destacamento paraguaio de uma centena de homens. Feito o reconhecimento regressou na mesma tarde a nossa comissão ao acampamento. Haviam tido os infan­tes que nos acompanhavam que percorrer mais de 52 quilômetros transportando capotes e armas, além de ses­senta cartuchos na patrona. Pudemos freqüentemente constatar que as mais longas marchas não conseguem abater a energia do soldado brasileiro.

Decorreram os dias subseqüentes, na inação; e neste solene repouso do pensamento, que é apenas prudência em vésperas de arriscadas empresas.

Tanto ninguém deve perturbar-se com a apreensão de desgraças, que talvez não ocorram, como se não en­tregar à exagerada confiança no futuro, que à possível catástrofe ainda venha trazer o rigor do imprevisto.

Abril começara, o mês fadado às nossas provações. O serviço de comboio longe estava de se achar garan­tido e no entanto como que a abundância reinava no acampamento. Carretas em contínua afluência ali tra­ziam toda a espécie de fazendas e demais objetos de luxo que aqueles páramos desertos jamais haviam certamente visto. Assim, as mulheres dos soldados, atraídas por este movimento comercial desciam de Nioac em grupos cada vez mais numerosos. Também para tal afluxo de gente contribuía a reputação de salubridade da colônia de Mi­randa.

Era para aquele ponto, com efeito, que, muito antes da invasão estrangeira, de toda a vizinhança mandavam convalescentes e valetudinários. Ali são cristalinas as águas do rio que as infiltrações salobras dos pântanos da jusante ainda não contaminaram. Nada deixava a desejar o estado sanitário das tropas. Haviam, pois, re­começado os exercícios diários de todos os batalhões e nossas músicas, rompendo afinal o longo silêncio, alegravam os espíritos. A dos voluntários de Minas, sobre­tudo, cuidadosamente recrutada, executava sinfonias cuja novidade, para os ecos locais, ajuntava novo en­canto ao prazer da audição.

Casarão construído com materiais da casa que foi dos Lopes
Casarão construído com materiais da casa que foi dos Lopes

Recebeu logo o 17.° batalhão ordem de ir, além do ponto atingido pelo 21.°, realizar um reconhecimento, sob a direção do guia Lopes e em companhia de um grupo de índios terenas e guaicurus, que desde algum tempo se apresentara ao coronel. A 10 de abril, realizou-se a par­tida, bandeiras desfraldadas e música à testa, espetá­culo sempre imponente em vésperas de combate. Gra­ças ao comandante apresentava-se o corpo em pé de disciplina, que em qualquer ponto o tornaria notado.

Reservava-nos o dia seguinte emoções muito diversas e quase contraditórias: a esperança de encontrar o ini­migo, que se não realizaria, e o imprevisto das mais co­moventes cenas familiares.

Anunciou-nos uma mulher, vinda de Nioac, o encon­tro, à margem de um rio próximo, de um grupo de cava­leiros, falando o espanhol. Depois de lhe fazerem algu­mas perguntas, haviam-na deixado passar tranqüila­mente.

Deu-se logo o alarma em toda a frente e à retaguar­da, mas tivemos logo a agradável surpresa do regresso do nosso destacamento trazendo 10 cavaleiros. Eram brasileiros, eram irmãos! Pertenciam a famílias esti­madas e bem conhecidas de fazendeiros das vizinhanças de Nioac: Barbosas, Ferreiras, Lopes, e haviam conse­guido escapar ao inimigo inexorável. Com a rapidez do raio circula a notícia de sua aparição por todo o acam­pamento, e até em Nioac. Para os ver acodem homens e mulheres, possuídos como que de embriaguez; e a maio­ria até a chorar. Patrícios nossos! Rodeados, carrega­dos, acham-se de repente em presença do comandante que os interroga.

Contam que, levados prisioneiros para o território pa­raguaio, eles e as famílias, haviam, ao se retirar o inimigo, sido dispersos por diversas localidades, principalmente em Vila Horcheta, a sete léguas de Concepción.

Herói do Exército brasileiro, José Francisco Lopes, o Guia Lopes, nasceu em São Roque de Minas em 26 de fevereiro de 1811, quando a cidade ainda era um distrito de Piumhi. Tudo indica que o local do nascimento foi a atual fazenda Tamancas, a 6 km do centro de São Roque de Minas, onde funciona hoje um pesque-pague e um restaurante (veja texto abaixo). Na juventude, Lopes mudou-se com a família para Mato Grosso do Sul, próximo à divisa com o Paraguai. Na Fazenda Jardim, dedicou-se à criação de gado e tornou-se profundo conhecedor da região que seria cenário de um dos mais trágicos episódios da Guerra do Paraguai: a Retirada da Laguna, na qual morreram quase mil soldados brasileiros
Herói do Exército brasileiro, José Francisco Lopes, o Guia Lopes, nasceu em São Roque de Minas em 26 de fevereiro de 1811, quando a cidade ainda era um distrito de Piumhi. Tudo indica que o local do nascimento foi a atual fazenda Tamancas, a 6 km do centro de São Roque de Minas, onde funciona hoje um pesque-pague e um restaurante (veja texto abaixo). Na juventude, Lopes mudou-se com a família para Mato Grosso do Sul, próximo à divisa com o Paraguai. Na Fazenda Jardim, dedicou-se à criação de gado e tornou-se profundo conhecedor da região que seria cenário de um dos mais trágicos episódios da Guerra do Paraguai: a Retirada da Laguna, na qual morreram quase mil soldados brasileiros

Ali lhes haviam dado terras de cultura sob a condição de pagarem aos coletores o quinto da colheita. Nunca os incomodaram muito até então, mas sabendo, ultimamente, que o ditador Lopez, já falto de gente para o Exército, projetara recrutar todos os estrangeiros, e até mesmo os prisioneiros, e que, ao mesmo tempo, se aproximava uma coluna brasileira, tudo tinham arriscado para reunir-se aos patrícios, escapando ao perigo de ter de os combater. As próprias famílias os haviam acoro­çoado a assim proceder.

A 25 de março, exatamente no dia dos nossos pri­meiros reconhecimentos diante da colônia, conseguiram apossar-se de bons cavalos paraguaios, e, como se não iludissem acerca do destino que os aguardava caso fos­sem novamente capturados, tinham se arriscado a cami­nhar à noite, e de mata em mata, fazendo contínuos ro­deios, em direção à fronteira. Atingindo-a felizmente, atravessaram o Apa e depois, deixando à direita a estrada da colônia, subiram ao norte, em direção à estância do Jardim, de onde desceram ao nosso encontro.

A um deles, o filho do guia Lopes, chamou o coronel à sua barraca e a sós. Era moço simpático, cuja inteligência e discrição pareciam provir da herança pa­terna. Versou a conversa, naturalmente, sobre as infor­mações que ele e o cunhado, Barbosa, podiam dar rela­tivamente à situação do Paraguai, à sua força apreciá­vel, meios de resistência, e sobretudo quanto à fronteira vizinha.

Responderam os refugiados que as fortificações do Apa não passavam de simples estacadas de madeira co­mum, guarnecidas, em Bela Vista, por uma centena de homens, sob o comando do major Martim Urbieta. Es­tavam os outros fortes em piores condições defensivas; mas o governo paraguaio, à vista dos avisos recebidos, comprometera-se a providenciar dentro em pouco e a enviar reforços, determinando que até a chegada destes, se fizesse uma retirada ante a investida brasileira, des­truindo-se tudo o que não fosse possível carregar. Acrescentaram que, no interior do Paraguai, era geral o desânimo; dia a dia menos se acreditava num feliz desfecho da guerra. Entretanto a resolução da defesa, a todo o transe, não parecia esmorecida. Quanto ao respeito pelo presidente, El supremo, cujo nome todos pronunciavam descobrindo-se, era sempre o mesmo.

Apenas pelo acampamento se espalharam tais notí­cias, só houve um grito: Ao Apa! Ao Apa! Atingiu o entusiasmo ao auge, deixando-se os mais prudentes arras­tar pela excitação apaixonada dos grupos que de todos os lados se formavam.

Anunciou-se neste momento a volta do 17.° batalhão que acompanhara o velho Lopes. Era geral o desejo de assistir ao primeiro encontro do pai e do primogênito que lhe voltava aos braços.

Passando pelos postos avançados soubera o nosso guia da grande notícia.

Vinha pálido, lacrimejante, em direção ao filho que, respeitosamente, o esperava, descoberto. Não descaval­gou; estendeu a destra trêmula ao filho, que a beijou; depois o velho guia deu-lhe a bênção e passou sem pro­ferir palavra.

Foi uma cena patriarcal, e como seja o coração hu­mano sempre sensível aos grandes lances, atônitos, olhá­vamos uns para os outros, como a indagar se não seria fraqueza entre soldados nem sempre poder conter as lá­grimas.

O Cemitério dos Heróis é um Patrimônio histórico do Município de Jardim no estado de Mato Grosso do Sul.  Foi na margem esquerda do Rio Miranda que morreram e foram enterrados heróis nacionais, no episódio da Retirada da Laguna, como o coronel Carlos de Morais Camisão, o tenente-coronel Juvêncio Cabral de Menezes e o José Francisco Lopes, o Guia Lopes
O Cemitério dos Heróis é um Patrimônio histórico do Município de Jardim no estado de Mato Grosso do Sul.
Foi na margem esquerda do Rio Miranda que morreram e foram enterrados heróis nacionais, no episódio da Retirada da Laguna, como o coronel Carlos de Morais Camisão, o tenente-coronel Juvêncio Cabral de Menezes e o José Francisco Lopes, o Guia Lopes

Que emoção devia sentir o velho vendo o filho escapo ao inimigo! E quanta dor, ao pensar que os outros mem­bros da família, ainda cativos, haviam perdido o mais valente defensor! Quando em tal lhe falamos tomou longa pitada e disse: “Deus tudo faz. Deus assim o quis. Fui outrora feliz, tive casa e família. Hoje durmo ao relento; estou só, e como do que a caridade me dá.”

— Vamos encontrar casa em Bela Vista, lhe respon­demos. Tem o senhor a seu lado filho e genro. Come em companhia de amigos e até ainda é quem lhes dá a co­mer de seu gado.

Com melancólico sorriso meneou a cabeça, dizendo: “Nunca mais será minha a estância do Jardim!…”

Entrementes, depois de haver combinado com Barbosa os meios de ainda obter gado do sogro, ordenou o coronel que se avançasse.



Total de leitores: 229. Leitura diária: 1. Total de visitas: 2.964.667
mm

About Ivair Ximenes Lopes. Ivair Ximenes

Deixe seus Comentários

Seu comentário é muito importante. Com ele tomamos iniciativas úteis.


Deixe seus Comentários (rede social)