Os Mouros

Os Mouros

Foram um povo árabe-berbere que conquistaram a Península Ibérica, vindos principalmente da região do Saara ocidental e da Mauritânia.

Quem eram os Mouros?

Na tradição oral portuguesa, os mouros são protagonistas de narrativas associadas a cultos pré-cristãos, muitas vezes pré-históricos. Em geral, as lendas das mouras encantadas que guardam tesouros, andam associadas a montes, florestas, rochedos, monumentos pré-históricos ou fontes e revelam restos de tradições muito antigas.

Na linguagem comum, os mouros são muitas vezes associados aos seguidores do Islão. Isto se deve ao fato de terem sido estes povos não cristãos que mais recentemente ocuparam os territórios da Península Ibérica.
Admite-se que as Cruzadas, assim chamadas as peregrinações em direção a Jerusalém, também estiveram identificadas com as lutas travadas contra os muçulmanos na Península Ibérica e contra os hereges em toda a Europa Ocidental.

“Mouros”, “Sarracenos”, “Infiéis” etc. eram os termos pejorativos pelos quais os cristãos europeus se referiam aos muçulmanos, em particular àqueles vindos do Norte da África, os quais teriam, dentre outros feitos, ocupado e governado uma vasta região da Península Ibérica – atualmente Portugal e Espanha – durante quase oito séculos (de 711 a 1492).

Cronologia

Em 711, os muçulmanos (mouros ou árabes) cruzaram o Estreito de Gibraltar e invadiram a Península Ibérica, provocando uma fuga da população local para o norte da península, onde foram fundados vários reinos ibéricos ou cristãos, como Leão, Castela, Navarra e Aragão, que, ainda no século VIII, iniciaram uma luta para expulsar os invasores – a Guerra da Reconquista, também chamada de “Cruzadas Ocidentais”.

Em 732 a expansão muçulmana foi barrada nos Pirineus, onde os francos, liderados por Carlos Martel, impuseram-lhes uma derrota na batalha de Poitiers. Os mouros permaneceriam na Península Ibérica até o final do século XV. Pelayo e seus soldados continuaram a guerrear com os infiéis.

Era a guerra da Reconquista, que, iniciada com a invasão árabe, em 711, prosseguiria até a expulsão total dos maometanos em 1492.

A Cultura

Embora cientificamente mais adiantados, os árabes não desprezaram os conhecimentos advindo dos habitantes da península. Tais conhecimentos foram utilizados nas escolas e observatórios que criaram e também deram a eles a sua própria contribuição. Assim, surgiu uma cultura riquíssima e uma ciência que não só produziu obras muito importantes, como também foi aproveitada na prática.

As grandes navegações, por exemplo, devem muito a instrumentos como o quadrante e o sextante, desenvolvidos pelos muçulmanos, assim como aos mapas e às descrições feitas por eles.Mas não é só. Sob o domínio dos árabes, a agricultura na Península Ibérica foi incrementada com novas técnicas de semeadura e irrigação.

Os sistemas jurídico e administrativo se tornaram mais eficazes. A química, a botânica e a farmacologia tiveram amplo desenvolvimento, assim como a filosofia e as letras. O saber se tornou mais acessível ao povo do que em qualquer outra região da Europa.

Em Al-Andalus – como os árabes chamavam a Península Ibérica – havia escolas e universidades, observatórios, hospitais e bibliotecas.Dessa forma, começou a surgir uma cultura científica baseada nas tradições árabes ou adquirida por meio desses povos.

O Legado

Os Mouros iriam trazer muitos progressos à Península Ibérica:

Na agricultura, introduzem novas formas de regar a terra como a cegonha ou picota e a roda ou nora. Estas técnicas vão permitir aumentar a produção, com muito menos esforço.

Ainda na agricultura, trouxeram novas culturas como o arroz ou a alface, mas principalmente as árvores de fruto como a laranjeira, o limoeiro, o pessegueiro, a amendoeira e a figueira, entre outras.

Na Matemática, por exemplo, trouxeram o atual sistema de numeração, a numeração árabe, a cujos sinais damos o nome de algarismos.

Na Linguagem, Eles deixaram algumas marcas na nossa língua, como boa parte das palavras começadas por al: Algarve, Almourol, alcatifa, álcool ou algemas são algumas delas. Outras palavras de origem árabe são, por exemplo, azulejo e azul; laranja e limão; tambor ou xadrez, jogo que os Árabes trouxeram para a península Ibérica.

Na Arquitetura, O arco em ferradura é um elemento caraterístico da arquitetura árabe, tal como a utilização do azulejo que introduziram na península Ibérica.

Fonte do Texto: História e Geografia de Portugal
Edição Total: História Espetacular



Total de leitores: 1.210. Leitura diária: 1. Total de visitas: 2.971.250
mm

About Ivair Ximenes Lopes. Ivair Ximenes

Deixe seus Comentários

Seu comentário é muito importante. Com ele tomamos iniciativas úteis.