Luís Gonzaga Pinto da Gama

Luís Gonzaga Pinto da Gama

Luís Gonzaga Pinto da Gama nasceu no dia 21 de junho de 1830, em Salvador, filho de Luiza Mahin e de um pai cujo nome jamais se soube. A mãe, negra altiva, insofrida, tem uma história riquíssima. Foi uma das principais figuras da Revolta dos Malês e participou da Sabinada, em 1837, quando então foi para o Rio de Janeiro, onde desapareceu. O pai, de origem portuguesa, herdara uma grande fortuna. Mas, amante da caça, da boa vida e dos jogos de azar, acabou reduzido à pobreza. Nesse momento, vendeu o próprio filho. Tinha então Luís Gama dez anos de idade. Tendo nascido livre, tornara-se escravo e foi embarcado num navio com diversos escravos contrabandeados para o Rio de Janeiro e São Paulo.

Foi comprado pelo alferes Antonio Pereira Cardoso, proprietário de uma fazenda no município paulista de Lorena. Em 1847, o alferes recebeu a visita de um jovem estudante chamado Antonio Rodrigues do Prado Júnior, que, afeiçoando-se a Luís Gama, ensinou-o a ler e a escrever. Em 1848, Luís Gama fugiu do cativeiro. Serviu como soldado durante seis anos. Deu baixa em 1854, após ser preso por causa de um ato que o próprio Gama chama de “suposta insubordinação” já que, ele mesmo diz, apenas se limitara a responder a um oficial que o insultara. Em 1856, volta à Força Pública, como funcionário da Secretaria da Repartição. Em 1859 surge o livro Primeiras Trovas Burlescas do Getulino. Eram poesias satíricas que ricularizavam a aristocracia e os homens de poder da época. A primeira edição acabou em três anos.

Luís Gama inaugurou a imprensa humorística paulistana ao fundar, em 1864, o jornal Diabo Coxo. Luís não se acomodava. Através da imprensa iniciou sua cruzada contra o escravismo. Mais tarde, como advogado libertou uma imensidão de escravos. Sud Mennucci o considera o precursor do abolicionismo no Brasil.

É de Luís Gama a seguinte frase: “Perante o Direito, é justificável o crime do escravo perpetrado na pessoa do Senhor”. Lembra Malcom X, só que Malcom nasceria muito tempo depois. Autodidata, Luís Gama tornou-se advogado respeitado graças à eloquência sem par e ao raciocínio arguto. Rui Barbosa disse dele o seguinte: “Um coração de anjo, um espírito genial, uma torrente de eloquência, de dialética e de graça”. Em sua casa dispunha sempre de uma caixa com moedas que dava aos negros em dificuldades que vinham procurá-lo. Era conhecido como o “amigo de todos”. Esse seu lado caridoso, no entanto, fazia par com o ódio que nutria contra qualquer forma de opressão.

Influenciador de Raul Pompéia, Alberto Torres e Américo de Campos, venerável da Loja Maçônica América, Luís Gama morreu sem ver concretizado seu sonho de Abolição. Acometido de diabete, decaiu fisicamente com extrema velocidade. Faleceu em 24 de agosto de 1882 e foi enterrado no dia 25. O seu enterro foi um fato memorável. O cortejo saiu do Brás às 15h do dia 25 e fez, a pé, o percurso até o Cemitério da Consolação, seguido por uma multidão. Parava-se de vez em quando para que os oradores fizessem discursos. Os aristocratas e burgueses tiravam o chapéu à passagem do cortejo. No fim da tarde, chegaram ao destino. Na hora de baixar o caixão à cova, ocorreu uma cena emocionante. Um homem (talvez Antonio Bento) ergueu a voz. Quem relata é Raul Pompéia: “a voz soluçava-lhe na garganta. Disse duas palavras, sem retórica, a respeito do homem que ali jazia caído… Lembrou aos presentes que aquele fora Luís Gama… A multidão chorou. Então, o orador reforçou a voz, reforçou o gesto, e intimou a multidão a jurar sobre o cadáver, que não deixaria morrer a idéia pela qual combatera aquele gigante. Um brado surdo, imponente, vasto, levantou-se no cemitério. As mãos estenderam-se abertas para o cadáver… A multidão jurou”. Então, os coveiros desceram o esquife para a sepultura.

Ref.: Silva, J Romão. Luiz Gama e saus Poesias Satíricas. Rio de Janeiro: Ed. Casa do Estudante do Brasil.

Consulte também a reedição de Primeiras Trovas Burlescas e Outros Poemas, livro organizado por Lígia Ferreira e editado pela Martins Fontes em 2000.

Bodarrada

Nome popular do poema “Quem sou eu?”, escrito por Luís Gama e editado em 1859.

“Bode” é o apelido com que tentavam ridicularizar os que, tal qual Gama, eram maçons.



Total de leitores: 233. Leitura diária: 1. Total de visitas: 2.914.167
mm

About Ivair Ximenes Lopes. Ivair Ximenes

Deixe seus Comentários

Seu comentário é muito importante. Com ele tomamos iniciativas úteis.


Deixe seus Comentários (rede social)