A Guerra do Paraguai

A Guerra do Paraguai

Guerra do Paraguai foi o maior conflito armado internacional ocorrido na América do Sul. Ela foi travada entre o Paraguai e a Tríplice Aliança, composta por Brasil, Argentina e Uruguai. A guerra estendeu-se de dezembro de 1864 a março de 1870. É também chamada Guerra da Tríplice Aliança (Guerra de la Triple Alianza), na Argentina e Uruguai, e de Guerra Grande, no Paraguai.

O conflito iniciou-se com a invasão da província brasileira de Mato Grosso pelo exército do Paraguai, sob ordens do presidente Francisco Solano López. O ataque paraguaio ocorreu após uma intervenção armada do Brasil no Uruguai, em 1863, que pôs fim à guerra civil uruguaia ao depor o presidente Atanasio Aguirre, do Partido Blanco, e empossar seu rival colorado, Venancio Flores. Solano López temia que o Império brasileiro e a República Argentina viessem a desmantelar os países menores do Cone Sul. Para confrontar essa suposta ameaça, Solano López esperava contar com o apoio dos blancos, no Uruguai, e dos caudilhos do norte da Argentina.

O Vapor Marquês de Olinda, ostentava esse nome em homenagem a Pedro de Araújo Lima, que tinha esse titulo e era também Ministro, Regente e Presidente do Conselho do Império. O Marquês de Olinda, nunca pertenceu a Marinha do Brasil, mas teve papel de destaque em nossa história por ter sido capturado pelo governo paraguaio em 12 de novembro de 1864, quando subia o Rio Paraguai, levando a bordo o Coronel Frederico Carneiro de Campos, presidente da Província de Mato Grosso. Esse fato foi considerado, após um longo período de crise com esse pais vizinho, o marco inicial da Guerra do Paraguai ou da Tríplice Aliança. O captura desse navio, seguido do ataque ao Forte de Coimbra e da invasão armada do território do Mato Grosso em janeiro de 1865, foi a causa imediata da declaração de guerra do Brasil ao Paragua. Foi armado em guerra pelo Paraguai.   Em 11 de junho, tomou parte na Batalha Naval do Riachuelo, integrando a força naval paraguaia, sendo abalroado e metido a pique pela Fragata Amazonas.
O Vapor Marquês de Olinda, ostentava esse nome em homenagem a Pedro de Araújo Lima, que tinha esse titulo e era também Ministro, Regente e Presidente do Conselho do Império. O Marquês de Olinda, nunca pertenceu a Marinha do Brasil, mas teve papel de destaque em nossa história por ter sido capturado pelo governo paraguaio em 12 de novembro de 1864, quando subia o Rio Paraguai, levando a bordo o Coronel Frederico Carneiro de Campos, presidente da Província de Mato Grosso. Esse fato foi considerado, após um longo período de crise com esse pais vizinho, o marco inicial da Guerra do Paraguai ou da Tríplice Aliança. O captura desse navio, seguido do ataque ao Forte de Coimbra e da invasão armada do território do Mato Grosso em janeiro de 1865, foi a causa imediata da declaração de guerra do Brasil ao Paragua. Foi armado em guerra pelo Paraguai.
Em 11 de junho, tomou parte na Batalha Naval do Riachuelo, integrando a força naval paraguaia, sendo abalroado e metido a pique pela Fragata Amazonas.

O temor do presidente paraguaio levou-o a aprisionar, em 11 de novembro de 1864, o vapor brasileiro Marquês de Olinda, que transportava o presidente da província de Mato Grosso, mas que o governo paraguaio suspeitava que contivesse armas. Seis semanas depois, o Paraguai invadiu o Mato Grosso. Antes da intervenção brasileira no Uruguai, Solano López já vinha comprando material bélico moderno, em preparação para um futuro conflito.

O Brasil, Argentina e Uruguai, aliados, derrotaram o Paraguai após mais de cinco anos de lutas durante os quais o Brasil enviou em torno de 150 mil homens à guerra. Cerca de 50 mil não voltaram alguns autores asseveram que as mortes no caso do Brasil podem ter alcançado 60 mil se forem incluídos civis, principalmente nas então províncias do Rio Grande do Sul e de Mato Grosso. Argentina e Uruguai sofreram perdas proporcionalmente pesadas mais de 50% de suas tropas faleceram durante a guerra apesar de, em números absolutos, serem menos significativas. Já as perdas humanas sofridas pelo Paraguai, são calculadas em até 300 mil pessoas, entre civis e militares, mortos em decorrência dos combates, das epidemias que se alastraram durante a guerra, e da fome.

A derrota marcou uma reviravolta decisiva na história do Paraguai, tornando-o um dos países mais atrasados da América do Sul, devido ao seu decréscimo populacional, ocupação militar por quase dez anos, pagamento de pesada indenização de guerra, no caso do Brasil até a Segunda Guerra Mundial, e perda de praticamente 40% de seu território para o Brasil e Argentina. Após a Guerra, por décadas, o Paraguai manteve-se sob a hegemonia brasileira.

Foi o último de quatro conflitos armados internacionais, na chamada Questão do Prata, que o Brasil lutou no século XIX, pela supremacia sul-americana. Tendo o primeiro sido a Guerra da Cisplatina, o segundo a Guerra do Prata, e o terceiro a Guerra do Uruguai



Total de leitores: 696. Leitura diária: 1. Total de visitas: 2.950.924
mm

About Ivair Ximenes Lopes. Ivair Ximenes

Deixe seus Comentários

Seu comentário é muito importante. Com ele tomamos iniciativas úteis.