Faraós do Egito e o Êxodo

Faraós do Egito e o Êxodo  Gênesis, o primeiro livro de Moisés, apresenta um breve esboço da história dos escolhidos de Deus desde a criação de mundo até o fim […]

Faraós do Egito e o Êxodo

 Gênesis, o primeiro livro de Moisés, apresenta um breve esboço da história dos escolhidos de Deus desde a criação de mundo até o fim da era patriarcal, um período de muitos séculos.

Entretanto, os primeiros dois capítulos de Êxodo como uma continuação do Gênesis, abrangem cerca de 80 anos e o restante do livro, apenas um ano, aproximadamente.

Embora a ausência de evidência arqueológica impeça de dogmatizar a respeito de vários pontos da história dos israelitas no Egito, parece haver razões suficientes para justificar a conclusão de que José e Jacó entreram no Egito durante a época dos hicsos.
Esses governantes semitas eram amigáveis com seus irmãos étnicos, os hebreus, e, sob o domínio deles, José alcançou honra e fama. Porém, como invasores e governantes estrangeiros, os hicsos eram odiados pelos egípcios nativos, muito embora tenham governado com mão leve e trabalhado para o bem de seus súditos.
HICSOS
Após 150 anos de domínio hicso no Egito (1730-1580 a.C.), Sekenenré se rebelou. Ele era

Gênesis, o primeiro livro de Moisés, apresenta um breve esboço da história dos escolhidos de Deus desde a criação de mundo até o fim da era patriarcal, um período de muitos séculos.

Entretanto, os primeiros dois capítulos de Êxodo como uma continuação do Gênesis, abrangem cerca de 80 anos e o restante do livro, apenas um ano, aproximadamente.

Embora a ausência de evidência arqueológica impeça de dogmatizar a respeito de vários pontos da história dos israelitas no Egito, parece haver razões suficientes para justificar a conclusão de que José e Jacó entreram no Egito durante a época dos hicsos.
Esses governantes semitas eram amigáveis com seus irmãos étnicos, os hebreus, e, sob o domínio deles, José alcançou honra e fama. Porém, como invasores e governantes estrangeiros, os hicsos eram odiados pelos egípcios nativos, muito embora tenham governado com mão leve e trabalhado para o bem de seus súditos.
HICSOS
Após 150 anos de domínio hicso no Egito (1730-1580 a.C.), Sekenenré se rebelou. Ele era príncipe egípcio de uma jurisdição no alto Egito e vassalo dos hicsos.
O registro dessa rebelião aparece num relato lendário de uma data posterior e não revela o sucesso ou o fracasso da tentativa de Sekenenré em restaurar a independência do Egito. Sua múmia mostra terríveis feridas na cabeça, possivelmente recebidas no campo de batalha enquanto lutava contra os hicsos.
Egípcios na batalha contra os Hicsos
A verdadeira luta pela independência começou com Kamés, o filho e sucessor de Sekenenré. Ele teve êxito em expulsar os hicsos do alto e médio Egito e limitar o poder deles à região leste do Delta. Contudo, Kamés não viveu para ver a expulsão definitiva dos hicsos. Isso foi alcançado por seu irmãos mais novo, Ahmés, que derrotou os odiados inimigos e os forçou a entregar sua capital, Avaris. Com a queda de Avaris, os hicsos perderam sua última fortaleza no Egito. Então, foram para Saruhen, no sul da Palestina, que, por sua vez, foi conquistada por Ahmés depois de três anos de campanha militar. A perda de Saruhen e a fuga dos hicsos para o norte marcaram o fim de seu domínio, bem como seu desaparecimento da história.
18° DINASTIA EGÍPCIA
Após derrotarem os hicsos, os governantes de Tebas se tornaram monarcas absolutos de todo o Egito. Como reis da 18° dinastia, eles não apenas libertaram o Egito, mas subjugaram a Núbia e a Palestina, além de construir um império forte e próspero. Era natural que esses governantes, que não conheciam José (Êx 1:8), considerassem suspeitos os israelitas que ocupavam a terra de Gósen na região oriental do Delta. Também é compreensível que os egípcios nativos não confiassem neles, pois haviam se estabelecido ali no tempo do domínio dos hicsos, eram etnicamente aparentados e tinha sido favorecidos por eles.

Hatshepsut
A cronologia dos reis da 18° dinastia ainda não foi fixada de forma definitiva. As seguintes datas, embora baseadas nas melhores evidências disponíveis, são apenas aproximadas. Ahmés foi sucedido por Amenhotep I (1546-1525 a.C.), que empreendeu campanhas militares no sul e no oeste. Seu filho Tutmés I (1525-1508 a.C.), que levou a cabo uma campanha militar na Síria e no Eufrates, foi o primeiro rei a registrar o trabalho de escravos asiáticos na construção de seus templos. É possível que fossem os hebreus. Ele foi sucedido por seu filho, Tutmés II (1508-1504 a.C.) e, após a morte desse último, Hatshepsut, filha de Tutmés I, governou o Egito pacificamente por 22 anos (1504-1482 a.C.). É provável que ela tenha sido a mãe adotiva de Moisés [Êx 2:5-10], uma vez que os primeiros 40 anos da vida dele foram durante os reinados de Tutmés I, Tutmés II e Hatshepsut. De acordo com a cronologia bíblica adotada neste comentário, Moisés fugiu do Egito alguns anos antes que Tutmés III reinasse como único rei [Êx 2:15].

No início do reinado de Hatshepsut, uma revolução dos sacerdotes a forçou a aceitar a corregência de seu sobrinho, Tutmés III. Seu desaparecimento repentino pode ter sido resultado de violência ou causas naturais. Se Hatshepsut foi a princesa que adotou Moisés, essa revolta dos sacerdotes deve ter acontecido em decorrência da recusa de Moisés em se tornar membro da casta sacerdotal.

Na corte de Faraó, Moisés recebeu o mais elevado ensino civil e militar. O rei resolvera fazer de seu neto adotivo o seu sucessor no trono, e o jovem foi educado para a sua elevada posição. “E Moisés foi instruído em toda a ciência dos egípcios; e era poderoso em suas palavras e obras.” Atos 7:22. Sua habilidade como chefe militar tornou-o favorito dos exércitos do Egito, e era geralmente considerado personagem notável. Satanás fora derrotado em seu propósito. O mesmo decreto que condenava as crianças hebréias à morte, tinha sido encaminhado por Deus de modo a favorecer o ensino e educação do futuro chefe de Seu povo.

Os anciãos de Israel foram instruídos pelos anjos de que o tempo para o seu libertamento estava próximo, e que Moisés era o homem que Deus empregaria para realizar esta obra. Os anjos também instruíam a Moisés quanto a havê-lo Jeová escolhido para quebrar o cativeiro de Seu povo. Supondo que deveriam obter sua liberdade, pela força das armas, tinha ele a expectativa de levar o exército hebreu contra as hostes do Egito e, tendo isto em vista, prevenia-se contra suas afeições, receando que, pelo seu apego à mãe adotiva ou a Faraó, não estivesse livre para fazer a vontade de Deus.

Pelas leis do Egito, todos os que ocupavam o trono dos Faraós deviam fazer-se membros da sacerdócio; e Moisés, como o herdeiro presumível, deveria iniciar-se nos mistérios da religião nacional. Este dever foi confiado aos sacerdotes. Mas, ao mesmo tempo em que era um estudante ardoroso e incansável, não pôde ser induzido a participar do culto aos deuses. Foi ameaçado com a perda da coroa, e advertiu-se-lhe de que seria repudiado pela princesa caso persistisse em sua adesão à fé hebréia. Mas ele foi inabalável em sua decisão de não prestar homenagem a não ser ao único Deus, o Criador do céu e da Terra. Arrazoava com os sacerdotes e adoradores, mostrando a loucura de sua veneração supersticiosa a objetos insensíveis. Ninguém lhe podia refutar os argumentos nem mudar o propósito; contudo, provisoriamente foi tolerada a sua firmeza, por causa de sua elevada posição, e do favor em que era tido pelo rei, bem como pelo povo (Ellen G. White, Patriarcas e Profetas, p. 245).

Assim que Tutmés III se tornou o único governante (1482-1450 a.C.), partiu para a Palestina numa campanha militar e derrotou uma coalizão de príncipes sírios e palestinos, em Megido. Seu império asiático se manteve unido graças a uma demonstração de força por meio de campanhas anuais. Como seu avô, ele afirmou que escravos asiáticos trabalharam em seus programas de construção de templos. Provavelmente, era ele o faraó de quem Moisés fugiu.
Amenhotep II
Depois de Tutmés III, seu filho Amenhotep II subiu ao trono (1450-1425 a.C.). Ele deu início a um reinado de terror sistemático sobre suas possessões estrangeiras e se enquadra notavelmente bem no papel do faraó do êxodo. Por alguma razão, não mencionada em registros fora da Bíblia, não foi o príncipe herdeiro que sucedeu Amenhotep II no trono, mas seu outro filho Tutmés IV (1425-1412 a.C.). O desaparecimento do príncipe herdeiro pode ter acontecido devido à morte de todos primogênitos na décima praga do Egito [Êx 11:5].

Esse é o contexto histórico dos eventos dramáticos descritos de modo vívido no livro de Êxodo. Não existem registros do êxodo além da Bíblia. Os egípcios nunca relatavam eventos desfavoráveis a si mesmos.

O PRIMOGÊNITO DE FARAÓ

Se Amenhotep II foi o faraó do êxodo, seu filho mais velho foi morto durante a noite de horror. Não existem registros fora da Bíblia sobre esse acontecimento. Na realidade, era costume dos antigos egípcios não declarar qualquer experiência humilhante. Entretanto, Tutmés IV, irmão do primogênito do faraó, deixou uma evidência da qual se infere a morte inesperada de seu irmão e sua própria ascensão à condição de príncipe herdeiro.

A estela da esfinge de Gizé registra que ele fez com que fosse removida a areia desse antigo monumento, em gratidão pela indicação divina que recebeu inesperadamente à sua sombra. Na inscrição ele conta que estava caçando próximo à esfinge num certo dia, e, enquanto tirava um cochilo à sombra do monumento, esse “grande deus” (a esfinge) lhe apareceu em visão e falou com ele como um pai se dirige a um filho, revelando que ele seria o futuro rei do Egito.

Estela da pirâmide de Gizé

O fato de esse incidente estar registrado num monumento de pedra mostra que Tutmés IV originalmente não tinha sido designado como herdeiro da coroa, nem esperava ser rei. Revela também que atribuía sua ascensão ao trono à intervenção divina. Embora seu irmão mais velho, o herdeiro original da coroa, não seja mencionado, os especialistas em inscrições egípcias não tem dúvida de que algo incomum aconteceu ao filho mais velho de Amenhotep II.

Não se deve esperar resposta satisfatória dos registros egípcios quanto ao que aconteceu ao jovem. Mas, supondo que Amenhotep II tenha sido o faraó do êxodo, a morte de seu filho mais velho na décima praga resultaria na ascensão do filho mais jovem, Tutmés IV, como herdeiro do trono. Para não atribuir sua ascensão a uma tragédia que o Deus dos hebreus trouxe ao paíes, Tutmés IV poderia ter inventado e difundido a história de uma suposta visão celestial.

Como costume, uma sucessão irregular real era explicada como uma intervenção divina da parte dos deuses egípcios. Quando Hatshepsut sucedeu seu pai no trono, anunciou-se que o deus Amon a havia gerado e ordenado que ela fosse governante do Egito. Quando Tutmés III, sem direito legal ao trono, foi pronunciado rei durante uma rebelião num templo, um decreto específico do deus Amon foi publicado autorizando essa sucessão irregular.

RESUMO HISTÓRICO

a) 1440 a.C.:

Data tradicionalmente mais aceita e que se harmoniza melhor com o testemunho interno da própria Escritura, precisamente na leitura literal dos seguintes versos:
“Ora, o tempo que os filhos de Israel habitaram no Egito foi de quatrocentos e trinta anos” (Êx 12.40);
“Enquanto Israel habitou trezentos anos em Hesbom e nas suas vilas, e em Aroer e nas suas vilas, e em todas as cidades que estão ao longe do Arnom, por que vós, amonitas, não as recuperastes durante esse tempo?” (Jz 11.26);
“No ano quatrocentos e oitenta, depois de saírem os filhos de Israel do Egito, Salomão, no ano quarto do seu reinado sobre Israel, no mês de zive (este é o mês segundo), começou a edificar a Casa do SENHOR” (1 Re 6.1).
É bem consensual que Salomão começou edificar o templo aproximadamente em meados do séc. X (aponta-se alguma data próxima a 960 ou 930 a.C.). Assim, 480 anos antes disto (1 Re 6.1) e 300 anos antes de Jefté (Jz 11.26), teria ocorrido o Êxodo, ou seja, uma data próxima a 1440 a.C.
E se o Êxodo foi por volta de 1440, então o Faraó da ocasião teria sido Tutmés III (1457-1425 a.C.) ou Amenotep II (1425-1400 a.C.), faraós daXVIII dinastia.
Se esta data for considerada como a mais correta, então Abraão teria existido bem próximo ao final do 2º milênio, aproximadamente 1950 a.C., data esta considerada no limite aceitável para a existência dele.
b) 1250 a.C.:
Embora as descobertas arqueológicas não sejam suficientes para negar a data de 1440 a.C., a aceitação de 1250 a.C. apóia-se melhor nelas. Esta data mais recente, por sua vez, requer que os textos bíblicos acima mencionados sejam entendidos sem uma leitura literal, diferente do que foi feito acima.
- É possível supor que os 480 anos mencionados em 1 Re 6.1 corresponda a 12 gerações de 40 anos, uma forma israelita conhecida de contar o tempo, na qual 40 é um número redondo geralmente atribuído à duração de uma geração que, do nascimento do pai até o nascimento do filho, em números reais corresponde a aproximadamente 25 anos. Neste caso, os 480 anos, ou seja, as 12 gerações, corresponderia a 300 anos corridos. Acrescentando, então, 300 anos à data do início da construção do templo (aprox. 960), o êxodo dataria por volta de 1250 a.C.
- Quanto aos 300 anos mencionados em Jz 11.26, este tempo poderia também ser considerado 7 ou 8 gerações. Isto se harmonizaria melhor, conforme dados da arqueologia, com a duração do tempo dos juízes, que não pode ter passado de 180 anos, e de Jefté, que teria vivido cerca de 160 anos depois que Israel se instalou em Canaã.
- O número de anos de Êx 12.40 também pode ser contado de outro modo. As versões grega (LXX) e Samaritana do A.T. fazem isto, pois consideram que 430 anos teria sido, não o tempo total de permanência de Israel no Egito, mas o tempo total desde a permanência dos patriarcas na Palestina até o êxodo, reduzindo, assim, o tempo de opressão dos israelitas no Egito a 215 anos.
Quanto à situação sócio-política, quem opta pela data de 1250 a.C. afirma que ela se harmoniza melhor com algumas questões:
- Se o êxodo foi em 1250 a.C., significa que os patriarcas existiram num período em que o Egito vivia o Médio Império (aprox. 2000 a 1500 a.C.). Foi um tempo em que o poderio egípcio se enfraqueceu sob o domínio dos hicsos, razão pela qual a palestina não teve a presença deles, os egípcios, como se percebe nos relatos dos patriarcas.
- Ainda, a data da ida de Israel para o Egito, quando José era aí figura importante, dataria entre meados e fim do séc. XVI a.C., a qual daria sentido a duas passagens bíblicas:
“Entrementes, se levantou novo rei sobre o Egito, que não conhecera a José” (Êx 1.8).
“E os egípcios puseram sobre eles feitores de obras, para os afligirem com suas cargas. E os israelitas edificaram a Faraó as cidades-celeiros, Pitom e Ramessés” (Êx 1.11)..
                Se os israelitasforam morar no Egito no final do Médio Império, quando o Egito era dominado pelos hicsos, Êx 1.8 estaria se referindo a um Faraó da XIX Dinastia, que inaugurou o Novo Império após derrota dos seus ex-dominadores. Isto explicaria porque José fora tratado bem no passado (pois os hicsos eram um povo semita assim como os hebreus), mas que agora, com um faraó egípcio da nova dinastia, não era conhecido.
                    Se a data de 1250 a.C. for considerada a mais correta, então, o Faraó Setos I (1305 – 1290 a.C.) fora quem teria começado a opressão dos israelitas, e seu filho Ramsés II (aprox. 1290 – 1230 a.C.), teria sido o Faraó do Êxodo, nome corroborado pela passagem acima de Êx 1.11.
Reforça a data de 1250 a.C. a ocorrência da conquista de Canaã no séc. XIII, em torno de 1230 a 1200 a.C., data mais provável deste acontecimento, segundo algumas evidências arqueológicas.
Quanto a Abraão, neste segundo caso, ele teria existido em meados da segunda metade do 2º milênio, aproximadamente 1750 a.C., data considerada bem aceitável para sua existência.
Resumindo, o Êxodo muito provavelmente ocorreu entre 1440 e 1250 a.C.,com o Faraó Tutmés III ou Amenotep II ou com Ramsés II. Ainda, os patriarcas (Abraão, Isaque e Jacó) teriam vividos na palestina entre 1950 e 1650 a.C.

www.arqueologiadabiblia.com/

Fonte:
Comentário Bíblico Exegético e Expositivo Adventista do Sétimo Dia, v. 1, p. 521-523, 590, 2011.
MS Macom
Ximenes

Sobre Ximenes

Ximenes, MM, Advogado.